08/04/11

crónicas minhas em traços gerais

Um dos meus professores, sugeriu que escrevêssemos as nossas memórias. Tal como os antigos cronistas, que passavam por escrito o que viam, ou o que lhes era contado. Só que neste caso irei fazer na primeira pessoa...A quem tiver interesse para ler, ficarei grata. Irei escrever várias até chegar aos dias de hoje. Nasci na maternidade Alfredo da Costa. Até o primeiro dia de aulas fui sempre educada em casa com os meus pais, irmão e avó materna, que viveu até os seus 79 anos, morreu tinha eu 8 anos. Estudei num externato em Benfica que já não existe, O Bom Guia. Gostava mesmo era de fazer composições e estudar Meio Físico e Social. Fazia de conta que era a Super Mulher e a Sheila nos entervalos da escola e gostava de ganhar as estafetas nas aulas de ginástica que eram feitas na rua se houvesse sol ou na sala de aula se chovesse. Fico por aqui... Amanhã haverá mais.

3 comentários:

Eli disse...

Fatinha, não te deves lembrar de ter nascido, mas quem sou eu para opinar sobre as tuas memórias. Parecem-me doces e espero que o sejam para ti, assim como motivo para sorrir.

Beijinho.

:)

Fátima Santos disse...

Tens razão, mas são crónicas, foi a minha mãe que me disse q nasci lá, por isso registo aqui:) obrigada! são sim memórias doces...bjs

CG disse...

E fazes tu muito bem :)
Um dia ganho coragem para também escrever as minhas.
Big Kisses