12/11/08

Aula de Teatro

Cá estou a contar-vos mais sobre estas aulas, que somam 5 desde dia 07 de Outubro. As duas últimas foram dadas pelo pai da Sofia, um senhor de teatro com anos de experiência que por si só é um privilegio termos tido esta oportunidade para aprender com ele, sem duvida tem sido muito proveitosas estas aulas.
Terminando os elogios que não deveriam passar ao lado, passemos ao que importa, eu e as aulas:
Na semana passada fizemos exercícios de concentração em que tínhamos de virar nos para um colega nosso e surpreende-lo com um disparo (imaginário) de uma arma, ou seja era só lançar um BANG bem audível e tentar fazê-lo com um ar mais serio e mau possível, acabou por ser um exercício quase furado porque no inicio o pessoal desatava a rir como perdidos...foi uma aula em que caminhávamos aleatoriamente pelo palco a emitir sons, ora isto ajuda a relaxar e ter treino de expressão vocal.
Mas ontem é que foram elas...finalmente começamos por explorar a nossa veia dramática, o nosso talento para a 'coisa'...e foi assim, pares em que um tinha de argumentar no imprevisto que não gostava do outro/a e o outro nesse mesmo contexto a afirmar até ao final que gostava dele/a.
Houve quem cumpriu do inicio ao fim o objectivo do exercio, manter-se implacavel na sua inflexibilidade de afirmar até ao fim que não gosta daquela pessoa por isto ou por aquilo enquanto o outro apesar dos insultos tinha de afirmar até ao fim que gostava muito dele/a...
Quando chegou a vez da C. e eu....aiiii eu disse logo que queria ser a pessoa que não gostava dela, porque já estava a imaginar sobre que argumento poderia pegar, então, comecei por inventar uma história em que vi ela a fazer olhinhos ao meu namorado e eu estava danada com ela, mas atenção nós não combinamos previamente como seria o texto ou o assunto, foi TUDO improvisado eu avancei com a primeira frase algo como ' C. 'tens muita lata em apareceres aqui á minha frente depois do que eu vi ontem, tu a fazeres olhinhos para o meu namorado' eu decidi uma frase longa para a meter logo no contexto afim que a partir daí desenvolvesse argumento. Mas quando ela passa a dizer que ele se fazia a todas eu sinceramente começo a entrar na personagem e dou por mim a pensar que se calhar ela teria razão, começo nos dialogos a questionar-me se afinal ainda gosto 'dele' ou não, ou seja começo a ter coração mole e a desviarme do objectivo do exercicio que seria manterme implacavel e cruel até ao fim com ela, pois afinal ela estava a enganarme eu teria de até ao fim insistir com algo como ' não te quero ver mais á minha frente desaparece de vez, etc' algo que não fiz, foi quando o professor mandou parar o nosso exercicio, disse que a interpretação estava boa, mas começamos a fugir ao objectivo pretendido...
Mal posso esperar o que a semana que vem me trará....será que vou ter de fazer rir o meu par ele terá que ficar sério? aposto que ainda iremos fazer algo semelhante a isso!

Até á próxima

1 comentário:

Minerva McGonagall disse...

Eu sou muito manhosa ;)

o meu namorado que se ponha a pau :D