27/11/09

Desculpem qualquer coisinha

Noto que ás vezes me ponho a divagar neste meu blogue. Noto que não tenho talvez sentido de humor. Noto que é dificel falar de mim. Noto que, isto de manter um blogue dá trabalho, pois não me considero escritora profissional. Noto que escrevo o que o coração me pede. Noto que tento fazer sentido no que escrevo, mas nem sempre o resultado desse meu esforço seja compreensivel a quem lê. Noto que deveria ser mais assídua.
Peço desculpa se não agrado a toda a gente que por aqui passa...no que respeita aos pontos em cima referidos.
Agora:
Sei que este blogue me tem ajudado como autoterapia. Sei que gosto muito de tudo o que escrevo. Sei que há pessoas que entendem o sentido das minhas palavras. Sei que procuro variar os tópicos. Sei que tenho carinho e amizade por todos os que me procuram. Sei que sem a existência deste meio virtual, nunca iria ao encontro de pessoas que se apresentam como autores de blogues tal como eu.
E,é por isto e muito mais, que não me decido a desistir deste blogue...

Até á próxima

4 comentários:

Elisabete disse...

Desistir?! Quem falou em desistir?!
Nós gostamos de cá vir, por isso é que continuamos, eu pelo menos gosto...
Até porque, os melhores textos são os que saem directamente do coração...e acredites ou não, essa "linguagem" geralmente todos a entendem...
E mais a mais, não tens que fazer nada a pensar se os outros vão gostar, o que interessa é que tu gostes, o blogue é teu...
Beijinho e continua...

F Nando disse...

Noto que não vais desistir e ainda bem!
Bjs

Daniel Silva (Lobinho) disse...

É tão diferente quando comentamos um blog que agora tem um tosto :)

Fatucha, estou ligeiramente incrédulo com o que leio. Sempre escreveste pouco... mas muito no pouco que dizias. Sempre foste sublime, encantadora e poética. Sei do que falo porque, quase desde o início do teu blog que encontrei por casao, te acompanho.

Se há coisa que tens de fazer é não pedir desculpa a ninguem. O blog revela algo de nós e esse algo tanto pode ser um dia de chuva torrencial, como um dia de sol tórrido, ou ainda apenas um dia agradável e solarengo, ou de chuva miudinha e acolhedor. Assim as pessoas. Assim os blogs.

O blog revela o que somos, ou que deixamos revelar, e essa beleza de te expores na tal auto-terapia (há tantos blogs que me dizem que o abriram para isso mesmo) é que fez de mim teu "seguidor" até hoje.

ès a fatucha, nao a bloguista XPTO. E a fatucha tem vida própria, ideias incsritas na alma, caminhos que percorre, grilhões dos quais já se libertou e outros que agora traz sem serem grilhões: traz coisas coloridas, ou mais reflexivas, conforme o pendor do momento.

Ainda bem que foste ao jantar, Fatucha. Porque te levaste a ti exactamente como és, acredita.

beijinhos amigos e obrigado

Natália Augusto disse...

Há anos atrás escrevíamos com lápis e papel e colocávamos tudo (pelo menos o que não fosse parar às urtigas) numa gaveta.
Gosto, para já,desta sociedade de informação do século XXI porque podemos chegar a todo o lado e partilhar o que nos alegra ou oprime o coração.
Gosto do teu blogue. Gostei de te conhecer e do nosso encontro de blogueiros. Temos de repetir!

Beijinhos doces