28/11/10

Regras de vida de Paracelso

Negrito


Paracelso, Médico e Alquimista ( 1493-1541)

* Primeiro melhorar a saúde. Para isso, há que respirar fundo e ritimicamente com a melhor frequência possivel, enchendo bem os pulmões ao ar livre ou aproximando-nos na janela. Beber diáriamente em pequenos goles, dois litros de água, comer muitas frutas, mastigar os alimentos da forma mais perfeita possivel, evitar o alcool, o tabaco e os medicamentos, a menos que estejas submetido a um tratamento. Tomar banho todos os dias é algo que deves à tua própria dignidade.

*Banir absolutamente do teu ânimo, por mais motivos que existam, todas as ideias de rancor, de pessimismo, ódio, tristeza, vingança e pobreza.

*Há que esquecer todas as ofensas, mais ainda: esforça-te por pensar bem do teu maior inimigo. A tua alma é um templo que jamais deve ser profanado pelo ódio.

* Deves recolher-te todos os dias onde ninguém possa pertubar-te, nem sequer por meia hora, sentar-te o mais comodamente possivel com os olhos meio cerrados e não pensar em nada. Isto fortifica poderosmante a mente e o espírito por-te-á em contacto com as boas influências. Neste estado de recolhimento e silêncio, costumam ocorrer-nos às vezes ideias luminosas susceptiveis de mudar toda uma existência.

*Deves guardar absoluto silêncio de todos os teus assuntos pessoais. Abster-te como se tivesses feito um juramento solene, de referir aos demais, ainda aos mais íntimos, tudo quanto penses, ouças, saibas, aprendas, suspeites ou descubras. Por um longo tempo, pelo menos, deves ser como uma casa fechada ou um jardim selado. É regra de suma importância.

A minha opinião: okay, tudo muito bem, mas o último tópico? No que respeita ao ouvir aqui e contar ali, concordo que não se deve fazer. Mas, o resto, é necessário partilhar o que se sente, o que se sabe, o que se aprende e o que se descobre! Não concordam?

6 comentários:

Tatiana disse...

vou seguir.

Rafeiro Perfumado disse...

Seguir o último tópico seria a ruína dos psicólogos! Não concordo, claro, desabafar faz um bem enorme à saúde.

Beijoca, Fatinha!

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Olá amiga e obrigado pelas tua simpaticas palavras no meu canto.

Concordo contigo, obviamente. O que penso que ele pretendia dizer terá a ver copm um contexto historico de intrigas palacianas. SE hoje mesmo assim abunda a inveja e o desdizer, na altura imagine-se! Digo eu! Claro que falar para alguém que mereça esse desabafo, é do mais importante que há... Alivia-nos, esclarece-nos, existe o efeito magico da palavra, a catarse, e as amizades como que se fortificam...

beijinho

AVOGI disse...

desabafar só faz bem. e devemos desabafar sempre nao guardar nada que nos faça mal.
kis ;=)

Paulo Vicente disse...

Olhando para a segunda e quinta regras o homem parece ter sido um grande optimista com um toque de sonhador. Daqui a cinco mil anos os nossos descendentes podem estar a colonizar uma estrela distante mas hão-de andar a discutir as neuroses uns com os outros enquanto o fazem.

Ok, talvez (um grande talvez) consigamos superar a tristeza, mas nunca vamos deixar de ser criaturas comunicativas. É a nossa natureza de animal gregário.

Ana disse...

Olá Fatinha!
Concordo completamente contigo, desabafar faz milagres, ficamos melhor Mas visto á luz do pensamento da época em questão é bem normal! No séc XVI dava-se muita importância ao homem. ao egoísmo, a não falar dos sentimentos.
Gostei muito de ler este post, é engraçado falar do banho diário nessa altura!
Beijinhos