29/10/08

Aula de teatro

Vou descrever o que fizemos na minha terceira aula, andamos a caminhar pelo palco, a observar como os outros caminhavam e tentar imitar um que nós escolhessemos, não foi tarefa fácil, porque apercebi-me quão dificel é modificar os nossos passos, implica ver qual é parte do corpo que impulsiona o andar, pode ser as ancas, o peito ou até mesmo a testa...no final do exercicio fiquei toda desengonçada, porque a pessoa que eu andava a imitar no andar anda diferente de mim...mas foi engraçado!
O último exercicio foi para mim um pouco estranho, porque tive de acreditar com toda a convicção que por um motivo qualquer eu estava muito mal ou em perigo e tinha de seguir em frente ao encontro da minha salvação, mas tinha uma força contrária á minha vontade que me impedia de o fazer; em termos práticos, ali não estava de repente uma praia e a corrente que me puxava contráriamente, não, eu tinha de criar a minha própria adversidade, ou seja caminhar o mais lentamente possivel até chegar á boca do palco...foi demorado não caminhei mais que uns 3 metros e cheguei exausta.
Acabo sempre por conhecer-me melhor cada vez que tenho estas aulas, acho que servem como uma terapia exploro areas de mim mesma que raramente ou nunca antes tinha explorado, e por si só vale a pena.

Até á próxima

1 comentário:

NESSA disse...

Essas aulas de teatro, pelo que escreves, são mesmo muito interessantes. Também se pode impulsionar o andar com a testa? Como é que isso é possível? Isto é, estão em extremos opostos. O.O
Acho que conforme vais fazendo o mesmo exercicio, vais consigo fazê-lo mais facilmente. Como esse de estares em perigo. ;D Muito bom mesmo. Tu estás a fazer as aulas, mas eu estou a adorar lê-las.